No último artigo discuti como a Revolução Tecnológica está impactando a indústria nos últimos anos e quais as principais tecnologias digitais foram desenvolvidas até agora nesse processo. No presente artigo, pretendo analisar com mais detalhe onde essas tecnologias poderão transformar os principais subsetores da Construção Civil, em particular a construção imobiliária.
 

De uma forma geral, as principais tecnologias desenvolvidas até o presente momento pela Revolução Digital foram:

  • Computação em nuvem
  • Impressão 3D
  • Realidade aumentada
  • Análise de Big Data
  • Robôs autônomos
  • Simulação Digital
  • BIM
  • Internet das coisas
  • Segurança Cibernética

A imagem mostra as interferências dessas tecnologias nos principais subsetores da construção civil os quais simplifiquei nominando como Projetos, Fornecedores de Sistemas, Construção, Vendas e Facilities.

Computação em Nuvem.

A computação em nuvem vai permitir o compartilhamento rápido de informações entre inúmeros profissionais, facilitando enormemente a portabilidade dos dados bem como o projeto e a gestão simultânea em tempo real. O desenvolvimento de um projeto ou de um processo de cotação por exemplo, não precisará mais de envio de arquivos específicos nem meios físicos de portabilidade da informação. Essa tecnologia facilitará muito a atividade de gestão de obras e de facilities uma vez que permitirá o acesso de projetos em qualquer local que o interessado estiver, através de i-Pads para comparação fácil e rápida entre o projetado, suas instruções diversas e o executado. Facilitará muito o controle de qualidade, o dirimir dúvidas de execução bem como a terminalidade das obras.

Impressão 3D

A impressão 3D permitirá a confecção fácil e rápida de maquetes tridimensionais de edifícios ou de suas partes, contendo todos os detalhes necessários para a visualização real em diversos tipos de estudos, como os de harmonia estética, cores, impacto visual de vizinhança, bem como de detalhes construtivos complexos em projetos para serem apresentados para as equipes de construção. Mockups em escala, material de exposição para vendas, inserção de edifícios na topografia do terreno, além de inúmeras outras aplicações poderão ser facilmente “imprimidas” tridimensionalmente onde antes seria necessário uma longa e trabalhosa confecção de maquetes. O impacto na qualidade final dos projetos poderá ser muito grande, e obtida com bastante facilidade.

A impressão 3D facilitará muito a confecção de moldes para pré-moldados bem como de componentes diversos. Também poderá facilitar muito o estudo de conexões de peças e o estudo de interferências em diversas partes da construção.

A utilização de impressoras 3D para a impressão direta de casas não me parece sua melhor utilização e vou expor os motivos em um próximo artigo.

Realidade Aumentada

A Realidade Aumentada pode ser considerada uma extensão do uso da impressão 3D só que feita com em imagens tridimensionais eletrônicas do projeto, com o uso de óculos digitais ou de dispositivos portáteis de tela. O projeto poderá ser visualizado de todas as posições possíveis, inclusive em “passeios” internos, simulação de cores e acabamentos, estudo de sombras, da influencia do sol e do brilho das superfícies, as sequencias construtivas, além de inúmeras outras possibilidades. Esses usos melhorarão enormemente a qualidade do projeto bem como da simulação de seus estágios de construção. Essa tecnologia vai facilitar muito a comunicação entre projetistas, da comunicação com os clientes, bem como da análise de situações peculiares, duvidas e de terminalidade durante a obra. A realidade aumentada facilitará e melhorará muito as decisões de projeto, controle da construção e comunicação entre fornecedores e a gestão da obra.

Na área de vendas, será de uma importância fundamental para que o cliente entenda o que está comprando e possa antecipar sua experiência visual que terá quando seu imóvel estiver pronto. Poderá reduzir muito o custo do processo de venda evitando ou reduzindo a necessidade da construção de grandes stands de venda e seus apartamentos “modelos”.

Análise de Big Data

Essa tecnologia permite a análise inteligente de uma imensa quantidade de dados, sejam eles estruturados ou não, extraídos da enorme quantidade de dados e informações que trafegam pela internet. Possibilita análise de tendências, de consequências de ações junto ao mercado, a compreensão em tempo real do que está acontecendo na sociedade ou em uma área especifica do conhecimento, bem como a análise de estratégias eficazes e ineficazes mostrando seu uso e consequências no tempo e nos resultados. Basicamente integra e analisa uma enorme quantidade de dados para gerar informações de valor para uso de profissionais e empresas em seus empreendimentos

Na atividade de construção permitirá a rápida compreensão de tendências de custos e desempenho de materiais, componentes e sistemas, informações sobre fornecedores, opinião de clientes, eventuais patologias e todo tipo de informação útil nas decisões gerenciais.

Na área de vendas, permitira antecipar tendências, escolhas atuais, mapeamento dos preços de venda em regiões e cidades, saber o que o cliente espera de você nesse momento, bem como informações sobre capacidade de pagamento do mercado e suas expectativas. Será a tão esperada independência das empresas de desenvolvimento imobiliário das informações junto as empresas de vendas e corretoras, que na maioria das vezes somente refletem o acontecido na ultima semana. Isso se reverterá na melhoria das estratégias e no seu melhor gerenciamento.

Robôs Autônomos

O uso de robôs autônomos tem um enorme potencial na fabricação de componentes por parte de fornecedores de sistemas, principalmente na “construção seca”. Montagem de painéis pré-moldados de Drywall ou Light Steel frame, revestimento de painéis de fachada, montagens de kits hidráulicos, elétricos e sanitários, escavação e transporte de materiais em regiões de risco ou de difícil acesso, inspeções diversas com drones, etc.

O uso de robôs tem que ser voltado a uma construção industrializada e baseada na fabricação e montagem de componentes mais leves. Não tem sentido seu uso na construção convencional, molhada, repetindo todo tipo de equivoco que temos feito nesses últimos 100 anos. Robôs empilhando tijolos, rasgando paredes para a fixação de eletrodutos e argamassando revestimentos não faz o mínimo sentido.

Simulação Digital e BIM

Embora o BIM seja na verdade um exemplo de Simulação Digital, devido a sua enorme importância, merece um destaque me separado.

A Simulação Digital tem sido usada a muitos anos na área de projeto e o Método dos Elementos Finitos tem sido um dos mais importantes na obtenção de forças, tensões, fluxos de fluidos e temperatura em edifícios. Atualmente diversos processos de simulação digital estão sendo desenvolvidos e o BIM (Building Information Modeling) tem evoluído muito nossa capacidade de projetar sendo que hoje já é entendido como um ambiente de troca de informações entre sistemas e componentes.

O uso dessas ferramentas em projetos está sendo fundamental para se evitar problemas durante a construção bem como na integração de informações entre projetistas, gerenciadores de obra e seus fornecedores. O uso do BIM associado a drones equipados com scanners tem facilitado enormemente o controle de qualidade dimensional das construções bem como a quantificação de serviços, a verificação da sua sequência e trajetória no desenvolvimento da obra.

Na área de administração de facilities, o BIM poderá conter todas as informações necessárias para a manutenção dos equipamentos e sistemas bem como orientar eventuais ações de assistência técnica e manutenção com suas montagens e desmontagem em ambiente de difíceis condições de trabalho.

Internet das Coisas (do inglês, Internet of Things, IoT)

A IoT impactará bastante o gerenciamento da construção fazendo com que as ferramentas, equipamentos, palets e trabalhadores emitam informações automáticas de como e onde estão localizados e desenvolvendo seu trabalho no canteiro de obra. Essas informações permitirão levantar automaticamente produtividades, fluxos de fornecimento e aderência dos recursos em relação ao planejamento da obra. A falta dessas informações em tempo real é um dos maiores problemas que grandes canteiros de obra enfrentam e essa poderá ser uma ferramenta importante para o aumento da produtividade e a efetividade da gestão.

Para a área de facilities, equipamentos com chips que emitem informações sobre seu funcionamento tais como, temperatura, vibração, pressão, vazão, etc, poderão informar com antecedência sobre suas condições de uso, probabilidade de quebra, vida útil de todos os sistemas bem como seu equilíbrio durante situações fora do envelope normal de uso do edifício. Equipes centralizadas de engenheiros poderão ser chamadas preventivamente, otimizando sua atuação e produtividade, em vez da manutenção de equipes em edifícios, praticamente tempo todo em alerta, como normalmente é feito hoje.

Segurança Cibernética

A Segurança Cibernética é e será muito importante em todas as etapas do desenvolvimento dos produtos imobiliários, mas será fundamental no processo de venda e na administração de facilities. No processo de vendas para proteger dados estratégicos de comercialização, dos contratos, transações bancárias e das informações dos clientes.

Na área de facilities, será fundamental na proteção dos sistemas de gerenciamento dos edifícios, em particular aos sistemas responsáveis pela segurança física e patrimonial tais como incêndio, intrusão e assalto, evacuação, além do funcionamento dos demais sistemas de controle de não propagação de patologias e desastres.

Conclusão

Embora todas as tecnologias descritas nesse artigo vão colaborar muito com a produtividade e qualidade dos serviços em todas as fases do desenvolvimento do produto imobiliário, uma real revolução somente ocorrerá quanto conseguirmos industrializar o processo da construção e fazermos que nossa cadeia de fornecedores consiga se entender e um gerar valor para o outro.

Esses foram fases que as demais industrias passaram e é por isso que estão hoje se beneficiando enormemente da Revolução Digital. Temos que nos libertar de praticas produtivas e processos de trabalho artesanais, muitas vezes centenários para que possamos usar a tecnologia digital com força plena. Somente assim poderemos nos tornar um setor industrial com custos, qualidade e riscos compatíveis com os demais setores econômicos de nossa sociedade.