Você sabe a diferença entre escoramento, cimbramento, reescoramento e escoramento remanescente? No artigo de hoje vamos entender todos esses termos.

Quem nunca passou por essa dúvida? Um diz: “cimbramento”, outro: “escoramento”, e ainda: “não é o reescoramento?”. Aí a gente finge que entende e “só vamos”. Então vamos colocar os “pingos nos is” destes termos:

Primeiro vamos descrever o que a norma brasileira diz: pegando o termo e definições da norma NBR 15696 – Formas e Escoramentos para Estrutura de Concreto – Projeto, Dimensionamento e Procedimentos Executivos, diz o seguinte em termos e definições do item 3:

Escoramentos: estruturas provisórias com capacidade de resistir e transmitir às bases de apoio da estrutura do escoramento todas as ações provenientes das cargas permanentes e variáveis resultantes do lançamento do concreto fresco sobre as formas horizontais e verticais, até que o concreto se torne autoportante.

Reescoramento e escoramento remanescente: estruturas provisórias auxiliares, colocadas sob uma estrutura de concreto que não tem capacidade de resistir totalmente às ações provenientes de cargas permanentes e/ou variáveis, transmitindo-as às bases de apoio rígidas ou flexíveis.

A norma não cita o termo cimbramento. Mas calma, irei explica-lo.

Traduzindo para a questão prática:

Cimbramento: pode ser metálico, de madeira ou misto metálico e madeira. O metálico é aquele conjunto de peças (pezinhos, quadros, travamentos, diagonais, forcados, longarinas principais, barrotes) que formam um equipamento capaz de suportar todos os esforços atuantes (peso da forma, concreto e sobrecarga de trabalho) e transmite toda essa carga para uma base de apoio. E ainda esse sistema dá condições para o correto nivelamento, alinhamento e segurança aos trabalhadores. O cimbramento de madeira faz a mesma função, porém como o próprio nome diz é de madeira.

Escoramento: é quase a mesma coisa do cimbramento, a diferença é que o sistema geralmente tem a proposta de simplificar a montagem somente com escoras, ou seja, sem quadros, travamentos, diagonais. Geralmente são equipamentos com “vantagens produtivas” para melhorar a produtividade da montagem da MDO, especialmente no sistema de formas de lajes. Um sistema de escoramento metálico para vigas são os famosos “suporte tipo T”, esse sistema, pela ausência de torres metálicas, se trata de um sistema de escoramento. Ou um sistema de escoramento de madeira para as vigas são os famosos “garfos”. Esses “garfos” são, na verdade, escoras de madeira.

Reescoramento: O termo mais correto é escoramento remanescente. São compostas somente escoras pontuais e é um sistema totalmente independente do cimbramento.

Escoramento remanescente: tem a única função de permitir a desmontagem do cimbramento e desforma, onde permanecem até o plano de retirada das escoras (que geralmente é 28 dias), portanto, reescoramento e escoramento remanescente são a mesma coisa.

No final das contas, na prática, cimbramento e escoramento podemos entender que se trata de uma “mesma coisa”, ou seja, tem a mesma função, porém com equipamentos diferentes. E do reescoramento e escoramento remanescente também podemos entender como uma mesma coisa, pois tem a mesma finalidade.

Espero que a partir de agora vocês consigam trabalhar com os termos desses equipamentos com mais segurança no conhecimento.

Sou Eng. Rogério Sato, especialista em execução de estruturas com ênfase em sistemas de formas de madeira e projetista de forma de madeira.

Desejo a todos uma boa obra!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here