A 3D rendering of an illuminated vintage copper and brass desk lamp on an isolated dark studio background

ilustração artigo sobre UGR

UGR é a sigla referente ao índice de ofuscamento produzido por uma fonte de LUZ.

É uma forma numérica de definir quão brilhante é uma luminária, e quanto ofuscamento ela produz.

É particularmente muito utilizada em escritórios e salas de aula, obrigatória em locais de grande permanência, mas os cuidados contra o ofuscamento devem ser atendidos em todo tipo de iluminação.

O uso de refletores ou aletas nas luminárias não tem uma função meramente estética, muitas vezes ouço profissionais referindo-se a aletas ou refletores de maneira afetiva (gosto ou não gosto)… mas não é esta a questão, todos devem compreender o quão necessário são estes controles de ofuscamento para melhorar a nossa saúde.

A norma técnica obriga a publicação das tabelas de ofuscamento pelo fabricante, que deve também demonstrar o ângulo de corte do produto. É bom ressaltar que a conformidade com a norma técnica requer uma análise completa de luminâncias, reflexividade, geometrias da luz da tarefa em relação ao usuário.

O parâmetro desejável é um UGR abaixo de 19, o grau máximo de ofuscamento admitido nas tarefas de longa permanência.

Com este dado chegamos a um grande problema nos produtos à venda no mercado de iluminação: “os led panels”.

Estamos repetindo o mesmo erro cometido em relação às fluorescentes compactas invadindo o mercado com produtos baratos e de má qualidade.

Os painéis de LEDs estão disponíveis com um fluxo de até 4000lm, e toda essa luz é entregue na superfície de difusão da luminária, sem o controle de ofuscamento necessário à instalação.

Esta solução em iluminação gera um excesso de luz direta para o olho, ocasionando dores de cabeça, enxaquecas e problemas de visão entre outros, só porque não fizeram o trabalho de especificação correto.
Para saber mais sobre as melhores formas de iluminar um escritório, sempre consulte as diretrizes da ABNT. (ABNT ISO CIE 8995-1)

A iluminação literalmente pode ser uma grande dor de cabeça!

A cadeia de suprimentos precisa preocupar-se com questões de saúde dos usuários, e os usuários finais precisam desafiar seus gestores, exigindo uma iluminação adequada no local de trabalho, norma técnica existe para a segurança dos usuários, e rege a legislação que ela deve ser cumprida.

O fabricante brasileiro precisa profissionalizar-se, melhorar o design e a qualidade de suas luminárias, buscando sempre atender as normas técnicas de iluminação e informar seu cliente sobre os riscos.

Sempre me pergunto por que o Brasil permite que o mercado ofereça produtos fora da norma técnica, que muitas vezes causam danos aos seus usuários, mas eu não entendo muito nosso país, o que sei e que precisamos sempre tentar fazer o melhor para melhorar a vida das pessoas.
Grande abraço
Silvia Carneiro
É arquiteta e especialista em Iluminação LED
Titular do escritório de Luminotécnica IRIS um olhar para o Futuro.
Consultoria Luminotécnica em Arquitetura & Sustentabilidade.
Atua em projetos Luminotécnicos e cursos de capacitação.
Contato: 55.11.99222.6616
silvicarneiro@terra.com.br
www.silviacarneiro.com

Artigo anteriorComo iniciar um diagrama de comandos elétricos?
Próximo artigoAs transições na Alvenaria Estrutural
Silvia Maria Carneiro de Campos, natural de São Paulo, onde reside, atua no mercado de iluminação LED desde 2008, arquiteta especialista em iluminação LED, com Pós Graduação em Iluminação e Design de Interiores e Master em Arquitetura & Iluminação. É titular do escritório IRIS um olhar para o futuro, e atua como Consultora de Negócios, inteligência estratégica e Relacionamento à industrias de iluminação, oferecendo atendimento técnico aos arquitetos e especificadores luminotécnicos em Projetos com tecnologia LED e Projetos Luminotécnicos de diversos seguimentos. Também dá aulas de iluminação em cursos de Pós Graduação. Certificada em Acessibilidade pela SMPD-SP foi colaboradora no CB-40 comitê de acessibilidade na revisão da ABNT 9050/15 e do comitê CB-03 COBEI da ABNT, onde participou da revisão das normas ABNT 5101 (Iluminação Pública) e 5413 (Iluminação de ambientes de trabalho, atual ABNT ISO/CIE 8995-1). Atualmente é colaboradora do grupo de projetos luminotécnicos da Comissão de Estudo Especial Modelagem da Informação da Construção (BIM) – Grupo de Trabalho sobre Componentes BIM ABNT/CEE-134

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here