O mercado de retrofit está em crescimento no Brasil. O total de novas construções ainda é quase cinco vezes maior que o de reformas: 503.239 contra 111.974, em 2017. Segundo dados do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR), entretanto, os projetos e obras de novas construções tiveram queda de 7% entre 2015 e 2017. No mesmo período, as renovações tiveram um incremento de 20%. Se forem considerados os trabalhos de arquitetura de interiores, o crescimento chega a 43%.

O crescimento do mercado de retrofit coincide com um período de forte contração dos lançamentos imobiliários (imóveis novos), mas também tem sido impactado devido à saturação dos grandes centros urbanos, que têm poucas áreas livres para construções e possuem muitas opções de edificações que podem ser remodeladas.

Ocorre que, ao contrário da Europa, onde esse mercado é consolidado há muitos anos, a cultura de “obra nova” ainda impera no Brasil. Tanto profissionais quanto as empresas parecem ficar mais à vontade com um terreno livre para lançar um empreendimento do que lidar com todos os detalhes jurídicos, técnicos e comerciais de um retrofit.

Essa preferência se justifica, em parte, pela ausência de uma legislação específica, capaz de simplificar e estimular as aprovações legais. Falta também um olhar específico das prefeituras, que não costumam manter um órgão especial para analisar as obras de retrofit.

De qualquer maneira, capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Porto Alegre e Recife, entre outras, possuem um enorme estoque de edifícios antigos, localizados em áreas que dispõem de toda a infraestrutura urbana. E não há dúvida que é mais fácil adaptá-los para o uso moderno do que demolir para construir novos prédios.

Os profissionais e empresas brasileiras precisam estar preparadas para os desafios técnicos que envolvem um retrofit. Com o objetivo de auxiliá-los nesse desafio, a Fundec, associação ligada ao Instituto Superior Técnico (IST), de Lisboa, está oferecendo o curso online, ao vivo, “Introdução à Reabilitação de Edifícios Antigos”, nos dias 29 e 30 de janeiro de 2019, das 7h às 16h (horário de Brasília). Você assiste em casa ou do escritório, via internet.

Metodologias de inspeção, patologias, técnicas de reabilitação/reforço de diferentes tipos de estruturas, recuperação de revestimentos e apresentação de casos práticos estarão entre os conteúdos abordados pelos professores Fernando Branco e João Gomes Ferreira, ambos do Departamento de Engenharia Civil, Arquitectura e Georrecursos do Instituto Superior Técnico.


Fonte: EstudeAE