Numa conferência na Faculdade de Design da Universidade do Estado da Carolina do Norte, nos EUA, Richard Kelly deu uma palestra intitulada “Iluminação como Parte Integral da Arquitetura”. Nela ele introduziu os três elementos que segundo sua didática, determinam o projeto de iluminação:

Focal Glow, Ambient Luminescence e Play of Brilliants

Que podem ser traduzidos como “O Impacto da Energia da Luz: Luz de Destaque, Luz Ambiente e Jogo de Luzes”.

Segundo Richard Kelly, esses seriam os ingredientes básicos que a iluminação no ambiente construído.

Richard Kelly comparou o Focal Glow ao fogo da fogueira e ao foco de luz que acompanha um ator no palco. E, ainda, à luz que ilumina o lugar preferido de leitura de uma pessoa.

“É o raio de sol no fundo do vale, o facho da lanterna nos degraus da escada. O focal Glow reúne elementos distintos, vende os produtos de uma vitrine, separa o que é importante do banal, ajuda as pessoas a ver o detalhe das coisas. Às vezes produz diversos focos de atenção. Quanto maior o número de focos, mais ele se aproxima do segundo elemento básico de luz.”

 

O arquiteto definiu este segundo Ambient Luminescence, como a luz ininterrupta de uma manhã de neve num descampado, que produz um ambiente sem sombras, diminui a forma e o volume, e reduz também a importância das pessoas e das coisas.

“É a luz da névoa em mar aberto, é a neblina do crepúsculo sobre um rio caudaloso, em que margem, água e céu se confundem. É a luz no domo do teatro antes do espetáculo começar. É uma galeria de arte com as paredes nuas, é um teto translúcido e um piso branco. E é também tudo o que conhecemos como luz indireta.”

O terceiro elemento, Play of Brilliants é como a Times Square, de Nova York, à noite, comparou Kelly.

“É o salão de baile com lustres de cristal. É o sol batendo na fonte. É uma caixinha de diamantes aberta numa gruta. É a cidade grande à noite vista de cima. É uma árvore do lado de fora da sua janela entrelaçada nos raios de sol. Play of Brilliants excita o nervo óptico e estimula o corpo e o espírito, abre o apetite, desperta a curiosidade. Distrai e entretém.”

Temos pouca literatura no Brasil, mas se você tem curiosidade e vontade existem diversos instrumentos de pesquisa e boas revistas de arquitetura e iluminação; segue a dica das minhas preferidas, internacional tem montanhas.

 

Projeto

AU

L+D

LUME arquitetura

Artigo anteriorMódulo de Elasticidade do Concreto – Pergunte ao Silvio Andrade
Próximo artigoObrigatoriedade de D.R.s e para-raios nos canteiros de obras – Portaria 261 do Ministério do Trabalho
Silvia Maria Carneiro de Campos, natural de São Paulo, onde reside, atua no mercado de iluminação LED desde 2008, arquiteta especialista em iluminação LED, com Pós Graduação em Iluminação e Design de Interiores e Master em Arquitetura & Iluminação. É titular do escritório IRIS um olhar para o futuro, e atua como Consultora de Negócios, inteligência estratégica e Relacionamento à industrias de iluminação, oferecendo atendimento técnico aos arquitetos e especificadores luminotécnicos em Projetos com tecnologia LED e Projetos Luminotécnicos de diversos seguimentos. Também dá aulas de iluminação em cursos de Pós Graduação. Certificada em Acessibilidade pela SMPD-SP foi colaboradora no CB-40 comitê de acessibilidade na revisão da ABNT 9050/15 e do comitê CB-03 COBEI da ABNT, onde participou da revisão das normas ABNT 5101 (Iluminação Pública) e 5413 (Iluminação de ambientes de trabalho, atual ABNT ISO/CIE 8995-1). Atualmente é colaboradora do grupo de projetos luminotécnicos da Comissão de Estudo Especial Modelagem da Informação da Construção (BIM) – Grupo de Trabalho sobre Componentes BIM ABNT/CEE-134

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here